terça-feira, 28 de setembro de 2010

ORA ESSA...!

Nem esse calor demente que emana da política (politicagem?) me faz esquecer que a nossa educação precisa de apoio, força, garra e investimentos. Por que será? De tanto ouvir os 'fajutos" dizerem que "se eleito for...." vão melhorá-la?!

Educação não dá votos!!!

Educação tira votos dos inexcrupulosos!

Ah! Digam lá que eu disse!

REFLITAM COMIGO... EM SILÊNCIO

Nem especial, nem regular, nem para "normais", nem para "deficientes"...apenas educação, porque chegará o dia em que educação será uma coisa só.

(autor desconhecido)

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

UMA (MEIA) BOA NOTÍCIA

É verdade sim...! Talvez eu seja muito exigente, mas essa é a realidade que vislumbro através da notícia que apresento a seguir. Ressalto, portanto, que entendo tal "nova" como uma meia boa notícia.

Ela é essencial, mas ainda não o necessário para o setor. Deixem eu acabar logo com o suspense, os comentários serão feitos após.

"23/09/2010"




"Projeto isenta de IPI produtos destinados a pesquisa"




Agência Câmara


A Câmara analisa o Projeto de Lei 7740/10, do deputado Chico Daltro (PP-MT), que isenta de IPI a partir de 2011, os produtos destinados à construção, manutenção e conservação de instalações, máquinas, veículos e equipamentos necessários ao ensino e à pesquisa".


Antes de outro assunto, para quem desejar ler a íntegra da notícia, fica aqui o endereço:
http://www.correioweb.com.br/euestudante/noticias.php?id=14212

Pois bem, sabemos que a pesquisa é a "mãe do conhecimento" que, por sua vez é o pai do desenvolvimento. Nesse sentido, tudo que se faça em seu benefício está implicitamente relacionado a este último. Ora, o Brasil está a atravessar, com grande atraso, um período bastante promissor no setor do desenvolvimento. Investir em pesquisa é uma tarefa por demais importante. Um primeiro senão: ainda está em tramitação, isto é, ainda pode ser "fogo de palha"! No entanto... lá vem mais uma vez o tal de "entretanto"!

Entretanto, e considerando que a notícia já representa algum avanço, o que a ela avança ainda não é suficiente para garantir o perfeito funcionamento de pesquisas qualitativas e/ou quantitativas capazes de levar mais longe ainda o nosso desenvolvimento.

Um grande e bom exemplo disso é a questão do valor do livro de estudo: UM ABSURDO! Acabo de adquirir um pequeno livro (faço questão de ressaltar o tamanho do livro para que não se imagine uma relação reais x número de páginas) por um precinho amigo (???) de R$60,00. 

Bem... o papel está caro... seu uso depõe contra a sustentabilidade do planeta... sei! Conheço esse discurso! Mas olha irmão ou irmã, que elevem o preço das revistas de fofocas, pornográficas, fotonovelas e todas as outras do gênero, se é que vocês conhecem. Podem elevar até onde quiserem o preço delas. Mas, POR FAVOR, permitam que quem quer aprender algo, quem tem necessidade de estudar e conhecer aquilo que outros pensadores estão a trabalhar/desenvolver tenham acesso ao livro a um preço acessível às bolsas dos estudantes e não estudantes. Essa seria, também uma medida de elevar a educação no país!

Então, quando se pensa em isentar de IPI alguns produtos para a pesquisa, seria muito interessante que se pensasse nessa alternativa e, claro, em outras mais que possam efetivamente facilitar a vida do pesquisador. Daí o eu não ficar totalmente contente com a notícia que veiculo.

Quem tiver o poder e a oportunidade (os políticos que logo mais vamos eleger) pense em fazer um pouco mais por esse setor tão interessante para o país!

É o meu pensar!

domingo, 19 de setembro de 2010

SOU TEMPORÁRIO... E AGORA?!

A minha crônica de hoje vai olhar para uma situação que tende a perpetuar-se ao detrimento da qualidade na educação: os contratos temporários para professores. De antemão, desejo declarar que não tenho nada contra o professor temporário, ressalvando-se a sua situação de precariedade de emprego.

Essa existência da figura do professor temporário é regulamentada por lei e, portanto, acredito que como tal deveria ser respeitada. A lei nº 14 orienta a contratação de professores temporários, ou "substitutos" como são mais conhecidos e afirma, se a memória não me falha, que apenas 10% do efetivo pode ser substituido, temporariamente. Em algumas instituições que conheço, nada disso é respeitado e os valores são invertidos. 

Assim é, por exemplo, na IES em que trabalho: os 10% permitidos há muito tempo já foram triplicados, numa estimativa bem comedida e sem alardes; por outro lado, o temporário já virou quase permanente e o permanente quase temporário. Calma, explico! 

Para iniciar a explicação é preciso dizer que existem muitos substitutos que não substituem ninguém, isto é, simplesmente ocupam uma vaga que deveria ser de um efetivo. Temos aqui substitutos (que devem ser contratados por um ano e analisada a possibilidade de serem recontratados por um outro igual período) que já são substitutos há mais de 10 anos. Vejamos que, aos olhos de uma outra legislação, nada de ilegal se pode apontar, pois os contratos são terminados e renovados mediante novo processo seletivo. Então, é aí onde eu digo que o temporário está virando permanente.

Do outro lado da moeda, a face é um pouco mais escura. Os professores efetivos estão em franca debandada em busca de novos horizontes, de outras possibilidades de desenvolverem suas potencialidades. Pós-doutores, doutores e até alguns mestres têm saído em busca de melhores condições de trabalho e, até mesmo de salário, malgrado estarmos hoje com um salário que, se não é dos melhores, mas também não é mais o pior deles que o Brasil já praticou. Nesse ponto tivemos algum avanço, mas não o suficiente para aceitarmos que estamos no paraíso terrestre.

As questões que é preciso derrubar (vejam que eu não digo mais: as questões que é preciso levantar, pois já tanta gente as levantou que ninguém mais lhe vê o cume!) é a seguinte: como ter uma educação de qualidade diante uma realidade assim descrita? Como manter um padrão mínimo de trabalho planejado se os executores estão mudando a cada dia?

Esta situação se mantém assim, caótica, na esfera estadual, já que na federal o problema parece não se repetir com tanta facilidade. Mesmo a pessoa que faz uma pequena análise desta situação deduzirá, então, que a problemática continua a ser a política estadual e isto em qualquer dos níveis educacionais que se analise. Que o digam os paulistas, que o digamos nós, que o digam vocês. A esfera estadual, em educação (só?), é aquela que maiores problemas apresenta. Por isso, não conclamo ninguém a pedir aos governos estaduais que façam aquilo para que foram eleitos e que tanto prometeram em campanha... não, EU EXIJO e todos nós deveríamos exigir que as leis sejam cumpridas. Seria um primeiro passo para soerguermos a educação.

sábado, 18 de setembro de 2010

RETOMANDO A ROTINA

Bons amigos e boas amigas!

Estou chegando agora de Fortaleza, onde tive que fazer uma viagem a trabalho. Desde 4 feira passada que estava ausente do meu posto de observação da vida educacional.

Saudoso, claro que estou, mas também bastante cansado!

Ananhã, prometo, volta à atividade normal e conversarei com vocês.

Um abração!

terça-feira, 14 de setembro de 2010

DE MAL A PIOR!

É... as coisas andam mesmo mal quando o assunto é educação!

Há horas em que quase me desespero; por momentos chego a pensar em abandonar o navio (fazer que nem os ratos!), mas não tenho sangue de barata e nem índole que me permita abandonar essa luta que também é minha. Só lamento que muita gente não esteja "nem aí" para o que der ou vier, pois o que lhes interessa é, tão somente, o próprio umbigo.

Olhem esta notícia:

Filosofia e sociologia estão sob ameaça de extinção

por Admin última modificação 14/09/2010 12:00
Parecer pemite que as disciplinas sejam diluídas no currículo


Ora, antes de qualquer outra coisa, parece mais brincadeira de criancinha mimada que atitude de pessoa responsável pelos rumos educacionais do país! É um tal de retira, coloca, retira... Eu só tiro uma conclusão disso tudo: querem que a população continue alienada.

Mas isso tem uma explicação! Acompanhe o meu raciocínio, com o qual não é obrigado@ a concordar. Isso acontece onde? No Estado de São Paulo, claro. Fato concreto: Governador de São Paulo é José Serra, candidato à presidência da República, contra uma candidata que pretender ser a continuidade do MAIOR e MELHOR presidente que o Brasil já teve até estes dias.  Fato: se o povo pensar, se povo começar a entender que vender voto não lhe rende mais que dor de cabeça durante pelo menos quatro anos, o que vai acontecer? Não vai votar nesse seu Zé Alagão!

Concluindo: O povo não pode pensar! Só quem pode pensar pelo povo é a Globo, A Folha, A Veja e outras vendilhonas de igual calibre. Pois... se o povo pensar, terá muita gente desempregada, isto é, sendo privada da teta que sugavam incansavelmente e de forma aloprada. Então, aprovemos instrumentos que permitam a dilução ou mesmo a eliminação de disciplinas que formem o senso crítico do aluno. 

E como sou dono da verdade e do querer, ordeno que se publique e se cumpra! 
Segue-se a assinatura de Zé Alagão.

Mas o povo, contrariamente àquilo que muitos julgam, é sábio! 

A resposta vem a cavalo!

domingo, 12 de setembro de 2010

SAUDADES DE VOCÊS

De volta de uma pequena viagem (dois dias) para uma cidade vizinha. Estava com saudades dos meus amig@s virtuais que sei visitam este meu cantinho.

Trouxe novidades! Duas belas imagens que postei AQUI

Estou refeito... pronto para outra (como se diz por cá!). A todos e a todas os meus sinceros desejos de uma feliz semana!

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

EDUCAÇÃO DE QUALIDADE?

É ESTA A EDUCAÇÃO QUE QUEREMOS?

Cabe-nos fiscalizar a execução do planejado e abrir o "berreiro" cada vez que situações como estas forem detectadas:

09/09/2010 - 07h00

Somente 39 de mais de 2.000 creches com verbas liberadas nos últimos três anos foram construídas*

Rafael Targino
Em São Paulo
Somente 39 de 2.003 creches e pré-escolas com verbas liberadas foram construídas nos últimos três anos. É o que mostra um balanço obtido pelo UOL Educação com o FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação) sobre o programa Proinfância, criado para atender a área. O número representa apenas 1,94% do total.

* A informação é do PIG. Eu fico com a orelha em pé! Mas nada me impede de ficar alerta!
FONTE: http://educacao.uol.com.br/ultnot/2010/09/09/somente-39-de-mais-de-2000-creches-previstas-nos-ultimos-tres-anos-foram-construidas.jhtm

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

A INTERNET É UM MUNDO, MAS AINDA NÃO É "TODO O MUNDO"!

Ainda existem pessoas incrédulas com a realidade virtual. Uns mais, outros menos, outros nem isso nem aquilo! Eu sou dos que acredito porque vivencio. Uso a net para quase tudo (no estudo, no trabalho, no lazer ena comunicação), mas, assim mesmo, resisto a algumas determinações. Por exemplo:


- Sei que quanto e quando menos eu espero, estas palavras que aqui registro, agora, quase instantaneamente estão sendo lidas e apreciadas por pessoas ao redor do mundo;


- Fenho a possibilidade de perceber que já tive leitores (ou pelo menos curiosos) da Italia, dos Estados Unidos, da Suiça, de Angola e, claro, de algumas regiões deste imenso Brasil que chegaram até este e mais dois blogs que mantenho.


Sou homem de relacionamentos e tenho facilidade em estabelecê-los. Um bom exemplo disso possoretirá-lo do tempo em que tinha outro hobby - o radioamadorismo - que, embora em bases rudimentares, em função do equipamento utilizado (PX), me deu a satisfação de "confirmar" 57 países. O que era essa "confirmação"? A simples troca de cartões postais que comprovavam a nosso existência nesse determinado local.


Pela net, não acredito que tudo isso se faça necessário, mas gostaria de poder trocar alguma ideia com quem me visita. Nada de mais fácil: passou pelo blog... escreva um recado dizendo; "alô, passei aqui e não gostei" ou, se quiser ser mais gentil,"me visita no meu blog ....". Quem sabe não tenhamos alguma em comum, algo que nos interesse!

Você, que me lê neste instante, já pensou nisso?


Seja amável, comunicativ@... mostre-se, não recei nada mais que uma retribuição ao que me desejar.

Como digo no título: a net é "um mundo",mas ainda não é todo o mundo e ainda precisa da ação do ser humano.


O ser humano não consegue viver sem se comunicar. Comunique-se!

sábado, 4 de setembro de 2010

ENQUANTO ISSO...

... A nossa educação continua "firme" no seu caminhar.


A criatividade é "tudo" que a educação precisa para atingir bons resultados. Os exemplos, nas fotos, são bastante significativos dessa arte de improvisar com a qual a nossa população e nossos educadores têm que conviver. 

                                Observem o modelo de régua!

                     Talvez mais adequado ao transporte de cães

Pior que isto só escola onde nem cadeira existe e região em que as crianças são obrigadas a fazer grandes percursos a pé para chegar na escola.

E assim vamos fazendo "educação". Viva a criatividade!

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

POR QUE TANTO E TÃO POUCO?

Recebi via e-mai, desconheço a autoria, sei que é um tanto antigo, mas de algum modo bastante atual. Resolvi divulgar por acreditar que essa seria uma tática bastante efetiva para a melhoria da educação. Claro que sei que só isso não mudaria o panorama educacional, mas daria a sua contribuição e... depois, era só um parlamental a menos por região de carência de professores. Professores fazem falta... parlamentares como esses que existem por aí aos montes... dispensados! 

Prezad@ amig@!

Sou professor de Física, de ensino médio de uma escola pública em uma cidade do interior da Bahia e gostaria de expor a você o meu salário bruto mensal: R$650,00

Eu fico com vergonha até de dizer, mas meu salário é R$650,00. Isso mesmo! E olha que eu ganho mais que outros colegas de profissão que não possuem um curso superior como eu e recebem minguados R$440,00. Será que alguém acha que, com um salário assim, a rede de ensino poderá contar com professores competentes e dispostos a ensinar?
Não querendo generalizar, pois ainda existem bons professores lecionando, atualmente a regra é essa: O professor faz de conta que dá aula, o aluno faz de conta que aprende, o Governo faz de conta que paga e a escola aprova o aluno mal preparado. Incrível, mas é a pura verdade! Sinceramente, eu leciono porque sou um idealista e atualmente vejo a profissão como um trabalho social. Mas nessa semana, o soco que tomei na boca do estomago do meu idealismo foi duro!
Descobri que um parlamentar brasileiro custa para o país R$10,2 milhões por ano... São os parlamentares mais caros do mundo. O minuto trabalhado aqui custa ao contribuinte R$11.545.
Na Itália são gastos com parlamentares R$3,9 milhões; na França, pouco mais de R$2,8 milhões; na Espanha, cada parlamentar custa por ano R$850 mil; e na vizinha Argentina R$1,3 milhões.
Trocando em miúdos, um parlamentar custa ao país, por baixo, 688 professores com curso superior !

Diante dos fatos, gostaria muito, amigo, que você divulgasse minha campanha, na qual o lema será:
'TROQUE UM PARLAMENTAR POR 344 PROFESSORES'.

COMO VOCE VAI VOTAR, DEPOIS DE LER ESTA MATÉRIA??

REPASSEM, EU JÁ ADERI À CAMPANHA!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...