domingo, 20 de outubro de 2013

RIGOR = TRADICIONALISMO?

Como podem perceber, já faz bastante tempo que abracei a luta pela melhoria na formação dos futuros docentes, aqueles responsáveis, segundo muitos dos entendidos nos assuntos educacionais, pela formação dos predestinados a serem o futuro da nação. 

Como tal, preocupo-me constantemente em fazer análises de dados que vão sendo fornecidos pelas avaliações que o nosso governo prodigaliza. Hoje vou tentar abordar uma das facetas da formação docente menos (?) discutidas neste momento: a necessidade do rigor (tanto científico como disciplinar) por parte do docente. Tomo para base de análise alguns dados do Ideb - Índice de Desenvolvimento da Educação Básica - relativos ao ano de 2011, no Estado do Ceará, ano em que se atingiu a meta proposta pelo ministério da educação.

Dentre os dados que nos são apresentados um, em especial, me chama a atenção: A relação das melhores escolas públicas do 6º ao 9º anos. Vejamos um pouco esses dados. Entre as 10 primeiras classificadas temos: em primeiro lugar, com nota 6,8 - Colégio Militar de Fortaleza; em 7º lugar, com nota 6,1 - o Colégio Militar dos Bombeiros (Fort.); em 9º lugar, com nota 6,0 - Colégio da Polícia Militar do Ceará (Fort.). Um detalhe que parece importante: a média geral do Ideb no Estado do Ceará, nesse ano, foi 4,9.

Algumas reflexões são possíveis, mesmo se não há, a meu entender, como retirar conclusões mais aprofundadas. No entanto, considerando que os professores que ali ministram aulas não são diferentes, no saber, dos que exercem a mesma função noutras instituições, acredito que vale sempre questionar qual a importância que uma prática mais rigorosa da forma de exigir resultados na aprendizagem e nas limitações comportamentais que são exigidas nesses estabelecimento de ensino acarretam para a concretização de objetivos educacionais - principalmente para se atingirem metas propostas. Não defendo, em hipótese alguma, que a tirania possa ser medida de capacitação ou educação de quem quer que seja e muito menos afirmar que naquelas instituições apontadas se pratique a tirania, o que pretendo dizer - e isso defenderei até à morte - é que sem uma quantidade bem dosada de alguns ingredientes, não há como atingir um nível mais elevado na educação. Entre esses ingredientes seleciono para compor o "bouquet" principal: 
- mais exigência no quesito respeito ao aprendizado; 
- mais cobrança, via modos avaliativos, de resultados afirmativos; 
- rigor no tempo de duração das aulas;
- cumprimento, em tempo hábil, das tarefas propostas; 
- maior aprofundamento na leitura e na escrita... para ficar por aqui.  

Estou aberto às críticas que sei virão em profusão. A menor das acusações será, certamente, a de defensor do tradicionalismo. Juro-lhes que não é nada disso. Tenho experiência suficiente para fazer minhas considerações; tenho relatos de alunos que exigem, eles mesmos, mais rigor etc. etc., pois percebem que em meio a uma claudicante permissividade que se pratica, se escondem: fracos e insuficientes conteúdos; péssima qualidade formativa e, ainda, insegurança profissional para os formandos. Para que quadro mais deprimente?

A tendência, hodiernamente, quando se fala em elevação da qualidade da educação, é o aumento da carga horária e da matriz curricular dos cursos - via aumento de menos elementos de mais disciplinas, deixando na lateral o aprofundamento daquilo que já é oferecido e a consequente cobrança de aprendizado. No jargão mais ao gosto de alguns educadores (?) o que é preciso é "passar a mão na cabeça do aluno" para não traumatizar o coitadinho. Continuemos nessa prática e mantenhamos os lençóis próximos para enxugar as lágrimas vertidas em virtude da degradação constante e acelerada pela qual vem passando a nossa sociedade educacional. Não que a educação seja a panaceia capaz de tudo sanar... mas que ela é um grande e potente veículo, lá isso ninguém pode negar, mas e esse é meu ponto de vista, educação também rima com responsabilidade e exigência, tudo dentro dos limites.   





.

terça-feira, 8 de outubro de 2013

COMO SE CHOVESSE NO MOLHADO

Pois é verdade, quem é tratado como bandido - a golpes de cassetete e na base do spray de pimenta - para ficar apenas nesse nível de agressões - não poderia mesmo ocupar outra posição nesse ranking que tanto nos envergonha. 

De resto, só as contradições absurdas que se praticam neste país: Dizem que "somos necessários", mas nos tratam com porrada e baixo salário. O tempo da escravidão parece que ainda não acabou! Surgem as perguntas que não querem calar:

- Para onde vão os milhares de professores que são formados anualmente no Brasil (claro que o foco é, neste caso, a situação do país onde, apenas no Norte/Nordeste faltam 120 mil professores)?

- Quem, em sã consciência, quer abraçar uma profissão que recebe como gratificação por tempo de serviço e bom desempenho do seu papel social o trato que aponto a seguir e que diuturnamente está nas grandes mídias?

- Mas também, que esperar de quem se vende por um voto a troco de uma posição de "professor" pago com as migalhas dos repastos nababescos dos governantes que não titubeiam em manter esse tipo de subjugado, visando a eleição seguinte?

Cada povo só tem o reconhecimento que merece da parte de quem lhe paga para ser assim.

Mas a vergonha pessoal não passa com facilidade. Pena que a esmagadora maioria faz como o avestruz...  

Veja a notícia e reflita um pouco.

Brasil é penúltimo em ranking de valorização de professores

Um estudo inédito revelou a percepção da população de 21 países sobre o status social dos professores. A pesquisa mostra que os professores são mais valorizados na China, onde a importância da educação está enraizada na cultura da sociedade.
Depois da China, o ranking do status social dos professores mostra a Grécia em segundo lugar. O Brasil está em 20º, à frente apenas de Israel. De positivo, a pesquisa mostra que os brasileiros confiam nos professores, mas os entrevistados acreditam que o sistema educacional atrapalha o resultado do ensino. E 95% acham que os salários são muito baixos.
A pesquisa é da Fundação Varkey GEMS, de Londres, organização não-governamenral criada para melhorar a educação para crianças carentes por meio de projetos de acesso à educação, programas de treinamento de professores e advocacy pela causa.
(Com informações do G1)

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...